Seguidores

10 de fevereiro de 2010

Um amigo de verdade ama primeiro o Senhor

Vivemos em um mundo de pessoas solitárias, no qual muito se fala de amizade e da necessidade de ter amigos para uma vida melhor. Mas mesmo se falando tanto sobre o assunto, mais sozinhas as pessoas ficam a cada dia. O que muitas chamam de “amizade” muitas vezes, não passa de troca de interesses, de conveniência, de superficialidade. Pode ser até mesmo que a sociedade tenha reconhecido a necessidade de criamos vínculos e relacionamentos, mas a forma como isso tem sido apresentado e oferecido só tem gerado um vazio cada vez maior no coração das pessoas por causa das feridas que são criadas.
Uma amizade que não está fundamentada no Senhor é como uma casa sem alicerce: mais cedo ou mais tarde desmorona e fere a todos que estavam nela. Sem Deus qualquer relacionamento está destinado a se tornar dependência e troca de carências.
Uma das mais belas amizades relatadas na Sagrada Escritura é a entre Davi e Jônatas. Eles aprenderam, na provação e na dor, o que é estabelecer uma amizade que tenha o Senhor como fundamento e viveram dizendo um ao outro: “O Senhor esteja entre mim e ti para sempre” (I Sm 20,23).
Se a vontade de Deus não estiver entre dois amigos, cedo ou tarde, ambos, ao depararem com as limitações um do outro, não terão forças para ir além, para perdoar e acolher o outro na sua miséria. Somente o Senhor é capaz de nos ensinar o amor-oblação, o sacrifício e a renúncia. Mas, para aprender a amar assim, é preciso amar ao Senhor sobre todas as coisas, “com todo o coração, com toda alma e com todo entendimento” (cf. Dt 6,5).
Para amar a Davi de maneira concreta, Jônatas precisou ir contra muitas situações que estavam ao seu redor, inclusive contra seu pai. Mas esse ir contra a vontade paterna não se deu por rebeldia ou por falta de amor para com Saul, mas porque Jônatas, por amar a Deus com todo o coração, percebeu os erros de seu genitor e entendeu que o Senhor estava com o amigo [Davi] (cf. I Sm 16,18).
Havia confiança entre Davi e Jônatas porque ambos, antes de se amarem, amavam ao Senhor. Experimentavam a amizade recíproca verdadeira, pois sabiam que um amigo de verdade ama a Deus em primeiro lugar. Confiavam um no outro, porque confiavam antes no Altíssimo.
Quando se ama ao Senhor antes de tudo, cada coisa é colocada em seu lugar em nosso interior e podemos amar de maneira livre. Na liberdade de filhos de Deus aprendemos, com Jesus, o que é amar sem apegos, carências, ciúmes e sentimento de posse. Aprendemos a amar como Ele amou. O equilíbrio se estabelece à medida que tudo à nossa vida gira em torno do Senhor e da Sua vontade, pois percebemos, dessa forma, que até mesmo a nossa amizade é uma oportunidade de amá-Lo de modo mais pleno. O amor ao Senhor nos lança aos irmãos inevitavelmente e nos leva a amá-los de maneira concreta, pois, afinal, “no é de Deus quem não ama seus irmãos” (cf. I Jo 3,10).
Somente quem ama no Senhor, pelo Senhor e para o Senhor é capaz de tocar num relacionamento verdadeiro e experimentar os frutos de cura e libertação dessa dádiva. Por isso, se você tem buscado uma amizade sincera e só tem encontrado decepção, pare de buscá-la nos homens e busque antes de tudo amar a Deus em primeiro lugar.
Se a sua vida se tornar uma busca incansável pelo Senhor, Ele mesmo providenciará os amigos certos, na hora certa, como fez na vida desses personagens bíblicos [Davi e Jônatas]. Jesus sabe que ninguém pode seguir sozinho, pois Ele mesmo, na Sua humanidade, experimentou a importância de ter amigos. Por isso, ame ao Senhor com todo o seu coração e deixe-O surpreendê-lo com amigos de verdade, capazes de viver maior amor: amor capaz de dar a vida (cf. Jo 15,13).

Seu irmão,
Renan Félix
renan@geracaophn.com
Fonte: www.cancaonova.com

Nenhum comentário:

Você é o visitante n.º