Seguidores

17 de setembro de 2011

Cartazes são divulgados publicamente na Irlanda para “tentar” justificar prostituição.





Em nome do “combate ao preconceito”, militantes irlandeses se organizam para tentar destruir a resistência do público à indústria sexual. Segundo informou o site Globo News (09-09-2011), “um grupo de prostitutas irlandesas está fazendo uma campanha para combater preconceitos em relação à profissão.” (1)
Na Irlanda, assim como nos demais países da Grã-Bretanha, tal prática já é uma atividade legal.
A campanha Off the Blue Light (em tradução literal, Apague a Luz Azul) promovida por tal grupo, almeja acabar com as visões negativas que “distorcem” a imagem da “profissão”, isto é, eles desejam equivaler sua atividade pecaminosa – que é a ruína de tantas famílias – as demais profissões, que por sua natureza derivam do suor e do fruto do trabalho honesto de quem o faz.
Sendo impossível apontar argumentos que torne aceitável a prostituição aos olhos do público, os organizadores da campanha apelaram para o sentimentalismo, acreditando que assim poderiam estimular uma aceitação, ainda que parcial, do público a má vida que leva quem se prostitui.
O grupo distribuiu cartazes que figura a fotografia de uma pessoa e o relato de sua vida cotidiana . Um desses cartazes, por exemplo, leva os seguintes dizeres: “Eu preciso deixar meu filho no treino de futebol, pegar minha filha na aula de dança irlandesa, pagar minha hipoteca e minhas contas, e eu sou uma profissional do sexo.”
Assim como é normal o pai trabalhar para cumprir com suas responsabilidades familiares, uma prostituta, na ótica deles, assim também seria. Ora, sabemos que isso não é assim!
Para o Departamento de Justiça Americano, cerca de 200 mil crianças estão expostas a situações de exploração sexual no país e a idade média com que são recrutadas pela indústria da prostituição é de 13 anos.
Também no Brasil – PNDH-3
No Brasil, os dirigentes políticos também querem tornar a prostituição uma profissão. O PNDH-3 – aprovador pelo ex-presidente Lulacontêm menções específicas a prostituição e está em consonância com a campanha das prostitutas irlandesas.
Por que levar adiante uma campanha de apologia à prostituição? Além de institucionalizar o relativismo moral, não seria uma forma de legalizar tantas agências que ganham dinheiro sujo nos sinistros negócios da prostituição? Que oculto lobby estará por detrás de nossos políticos?
Caso seja aprovada, os que se beneficiam da exploração sexual terão maior poder para agirem, a indústria sexual irá se expandir mais ainda, bem como o tráfico de mulheres, o aumento da prostituição infantil, da falta de moral e dos lares destruídos.
No final, quem a grande derrotada será mais uma vez a família.

fonte:  
http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/

Nenhum comentário:

Você é o visitante n.º