Seguidores

11 de fevereiro de 2012

Vaticano descarta dossiê sobre complô para matar Bento XVI

Na questão estaria uma disputa de poder entre o nº 2 do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, e o candidato à sucessão de Bento XVI, cardeal Angelo Scola
 
ALBERTO PIZZOLI/AFP
 Os bastidores da política do Vaticano revelam que o atual papa teria suas preferências na linha sucessória

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, classificou ontem de “delirante e fora da realidade” um documento secreto escrito em alemão, segundo o qual o papa Bento XVI seria assassinado nos próximos meses, e que foi divulgado no mesmo dia pelo jornal italiano Il Fatto Quotidiano.

O diário de esquerda definiu o documento de “muito confidencial”, datado de 30 de dezembro de 2011 e que teria sido entregue pelo cardeal colombiano aposentado, dom Darío Castrillón Hoyos à Secretaria de Estado e ao secretário particular do sumo pontífice em janeiro passado.

“É evidente que o documento contém considerações loucas, desprovidas de toda a realidade”, comentou o porta-voz. “Não nego a existência deste documento em alemão. Afirmo apenas que não se deve levá-lo a sério e acreditar que contenha qualquer coisa de verdade”, acrescentou.

Dom Darío explicou pessoalmente ao chefe da Igreja Católica, em meados de janeiro, que o texto havia sido entregue a ele pelo arcebispo de Palermo, na Sicília, dom Paolo Romeo. Este, por sua vez, teria tido acesso ao dossiê durante uma viagem à China, em novembro passado.

O conteúdo não dá qualquer elemento sobre os participantes num eventual complô nem sobre o local ou o momento onde o papa poderia ser assassinado.

Dom Paolo também afirmou, numa nota, que as afirmações estão sem fundamento algum.

Segundo outras revelações do documento, a que o arcebispo de Palermo teve acesso, Bento XVI teria uma relação conflituosa com o cardeal secretário de Estado, o primeiro-ministro do Vaticano, dom Tarcisio Bertone, e procuraria substituí-lo.

Por esse raciocínio, ele estaria mais inclinado ao candidato à sua própria sucessão, o cardeal de Milão, dom Angelo Scola. Dom Angelo é considerado um teólogo brilhante e muito ligado a Bento XVI.

De acordo com o especialista em Vaticano, Sandro Magister, Bertone teria se oposto à designação no ano passado de Scola ao Arcebispado de Milão, a maior diocese da Europa.

A divulgação do documento poderia estar inscrita numa surda luta pelo poder, com membros da administração do Vaticano querendo provocar a saída do cardeal Bertone. (das agências de notícias)

Fonte: http://www.opovo.com.br/

Nenhum comentário:

Você é o visitante n.º